Artigos

Processamento X esterilização

Sabe qual é a diferença entre processamento e esterilização? Não? Então, chegou a hora de descobrir! Preparamos este post especial para você entender de uma vez por todas se os processos são ou não os mesmos.

 

Ao longo da leitura, você descobrirá detalhes sobre cada uma das atividades, para que materiais elas são indicadas e a importância de investir em empresas altamente especializadas para executá-las. Somente assim, é possível obter economia sem perder qualidade e segurança. Boa leitura!

 

Qual é a diferença básica entre processamento e esterilização?

 

De acordo com definição da Portaria Interministerial 482/1999, a esterilização é um “processo físico ou químico para eliminar microrganismos nas formas vegetativas e esporuladas de substâncias, materiais ou artigos”.

 

Da mesma maneira, a Resolução da Diretoria Colegiada RDC 15/2012 define o processamento de produtos para saúde como “conjunto de ações relacionadas à pré-limpeza, recepção, limpeza, secagem, avaliação da integridade e da funcionalidade, preparo, desinfecção ou esterilização, armazenamento e distribuição para as unidades consumidoras”.

 

Então, simplificando as coisas, podemos entender que a esterilização é uma das etapas da cadeia do processo, mais amplo e complexo, que é o processamento.

 

Como funciona o processamento?

 

O processamento garante a limpeza e a desinfecção/esterilização de produtos médico-hospitalares, seguindo a legislação vigente. Nesse sentido, os produtos que não são proibidos de processar podem passar pelo rigoroso procedimento para a eliminação completa de microrganismos e a posterior reutilização.

 

Entre os materiais passíveis de processamento, destacam-se os de:

 

  • cirurgia;
  • hemodinâmica;
  • endoscopia;
  • oftalmologia
  • assistência ventilatória.

 

É imprescindível que o padrão e a qualidade sejam garantidos. Afinal, quando o assunto é saúde, não há espaço para falhas. O processamento segue vários protocolos, os quais precisam ser validados por especialistas qualificados. Essa ferramenta é crucial na orientação e no cumprimento fidedigno de todas as etapas — pré-limpeza, recepção, limpeza, secagem, avaliação da integridade e da funcionalidade, preparo, desinfecção ou esterilização, armazenamento e distribuição.

 

O controle de processos (cumprimento do protocolo) e a rastreabilidade são essenciais para a garantia da correta execução de cada etapa do processamento, trazendo a confiabilidade e a segurança dignas de um processo eficiente. Na execução da atividade, os seguintes passos são seguidos: conferência; limpeza/desinfecção; enxágue; secagem; inspeção; empacotamento; rotulagem e esterilização.

 

Desde 2006, a rastreabilidade no processamento é uma exigência da ANVISA. O recurso é fundamental para que o cliente tenha o controle individualizado de cada produto, permitindo a identificação de quando o material foi utilizado e quantas vezes ele foi processado.

 

Assim, a OXETIL FGF desenvolveu o Sistema de Rastreabilidade OXETIL (SRO). Esse é um software on-line que permite o acesso ao histórico de cada material já processado e a transparência no processamento de produtos para a saúde. Como solução para a marcação individualizada dos produtos de saúde, a empresa criou a etiqueta 2D. Pequena e resistente a todo o processamento, ela solucionou a dificuldade existente no processo de rastreabilidade.

 

Como funciona a esterilização?

 

Organismos como vírus, fungos e bactérias são formas de vida microbianas eliminadas a partir da esterilização. O procedimento, que pode salvar vidas, é realizado com a utilização de agentes físicos ou químicos. Ele é tão eficaz que a probabilidade de um microrganismo submetido ao processo sobreviver é menor que uma em um milhão (10-6).

 

Atenção: não confunda esterilização com desinfecção. Esta última, apesar de ser eficaz para a eliminação dos organismos causadores de doenças, não destrói os esporos e alguns vírus. Assim, só desinfetar pode não ser suficiente. A segurança total só é obtida por meio da esterilização.

 

Existem diversos tipos de esterilização. A escolha deve levar em conta o seu objetivo, ou seja, o tipo de material que deverá passar pelo procedimento. Entre as possibilidades, a esterilização por óxido de etileno é considerada a mais eficiente quando falamos da preservação do material esterilizado.

 

O método é indicado principalmente para aqueles itens que não podem ser expostos ao calor ou a agentes líquidos. Portanto, não existe forma melhor para processar materiais termossensíveis.

 

E aí? Entendeu quais são as diferenças entre processamento e esterilização? Entre em contato conosco, solicite uma proposta personalizada e descubra qual é a atividade mais indicada para o seu consultório, clínica ou hospital. Dessa forma, você terá acesso à economia com muita qualidade e segurança com quem não só domina, mas é referência no mercado.